22 de dezembro de 2009

Camisa de volta, com Scott nos vocais

O Camisa de Vênus inicia turnê nacional no dia 29 de janeiro, às 22h, no Caís Dourado, em Salvador.

Uma das novidades deste retorno é a entrada de Eduardo Scott (Gonorréia), no vocal do grupo, lugar antes ocupado por Marcelo Nova. No repertório do show está um apanhado de 25 sucessos da banda ao longo dos anos de estrada.

Após o carnaval, o Camisa sai em turnê nacional, em dobradinha com o Raimundos, que hoje conta com Tico Santa Cruz (Detonautas) no vocal.

A turnê passará por São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Vitória (ES), Recife entre outras cidades.


Da esquerda para direita: Robério Santana (baixo), Karl Hummel e Gustavo Mullen (guitarras), Eduardo Scott (vocal). Foto: Osmar Gama.

8 de dezembro de 2009

Should I Stay or Should I Go



Música gravada durante a segunda edição da festa Troca de Segredos no Groove Bar.

1 de dezembro de 2009

Coveiros param por tempo indeterminado

As imagens da segunda edição da festa Troca de Segredos ainda não foram sepultadas aqui?

As almas penadas do rock'n'roll são os únicos visitantes deste cemitério???

<<< Eis o motivo!!!

Isso mesmo. Temos uma greve desses profissionais de quem ninguém quer precisar, mas que estão sempre presentes nos momentos mais difíceis da morte.

A matéria elucidativa do mistério foi enviada por Maurício Lica Galvão.

24 de novembro de 2009

Faustino, o retrato de um medíocre



Quem circulou pelas ruas de Salvador com alguma atenção para os muros, nos anos 1980, certamente conheceu os hábitos de Faustino. O personagem criado por Miguel Cordeiro era a síntese do que havia (...e ainda há) de mais cafona na classe média.

Além de Miguel, que editou o fanzine Delírium Tremes e criou cartazes, capas e encartes dos bolhachões de vinil de bandas como o Camisa de Vênus, os muros da cidade serviam de tela também para outro rebelde das artes visuais bastante presente na cena rocker, Bob.

Mancha, Nildão e Renato Silveira completavam o time de interventores urbanos, levando crítica e humor às ruas, naqueles anos de censura. Um borrão no conservadorismo.

+ + + Foto cedida por Miguel Cordeiro

19 de novembro de 2009

Para quem quer exumar a festa da sexta 13...

Saiu uma ótima cobertura festa Troca de Segredos no site Salvador Alternativo. O texto de Renata Alves e as fotos de Gregory Nogueira estão em sintonia com a noite.

>> Confira a cobertura.

E para quem quiser mais, tem fotos da festa no blog da produtora Angela Pereira.

>> Veja as imagens.

As fotos de Fábio Marconi em breve estarão aqui no blog...

14 de novembro de 2009

A festa Troca de Segredos bombou!

Aguardem em breve aqui no blog as fotos e comentários sobre a festa com Coveiros do Cover & Urublues, que reuniu imagens e sons da cena rocker dos anos 80.

10 de novembro de 2009

Ping-pong com Marcão Botelho sobre a cena baiana


Saiu uma longa (mas divertida) entrevista do coveiro Marcão Botelho ao jornalista Neri Góes, do blog Noite Ponto Som. Vai um trechinho para dar uma idéia...

'Salvador era ainda mais acanhada do que é hoje, mais isolada das “capitais”, e ainda aquela “utopia de lugar”, a terra da harmonia dos contrários, a pequena cidade grande, capital e província, mais colonial que industrial... O Camisa tocou em lugares sem uma relação com o rock, tipo Casa dos Festejos e New Fred’s, que eram espaços para serestas ou grupos folclóricos etc. Mas aí sugiram os circos Relâmpago e Troca de Segredos, onde rolaram grandes shows que juntaram o público ouvinte do Rock Special. Nós ainda não avaliamos a importância do rádio e do programa de Marcelo como catalisadores dessa cena. Quem era o público dos primeiros shows do Camisa? Os ouvintes do Rock Special, basicamente. Eu conheci todos os meus parceiros a partir daí, nos shows do Camisa, que foi um fenômeno quase imediato de público desde os primeiros shows. O público ouvinte que estava ligado em rede pelo rádio e era virtual se encontrou nas portas dos shows e daí surgiram outras bandas.'

... E o link para o ping-pong completo.

8 de novembro de 2009

Camaça foi massa!!! Sexta-feira 13 tem mais...


O show do último sábado, em Camaçari, reuniu as bandas Os Clandestinos, Urublues e Coveiros do Cover (foto acima), numa noite pautada nos anos 80. As duas primeiras bandas tocaram o repertório do BRock do período.


No final de seu show, a Urublues convidou o guitarrista Gustavo Müllen ao palco. A platéia cantou em coro o repertório do Camisa de Vênus.


Os coveiros fecharam a noite, com direito canjas do guitarrista Karl Franz, que também assumiu os vocais de "Deus, me dê grana". A galera mostrou que Camaça é mesmo uma cidade rock'n'roll!


Coveiros do Cover e a Urublues tocam juntos mais uma vez na festa Troca de Segredos, nesta sexta-feira 13, no Groove Bar. Müllen e Franz voltarão ao palco.

E além da participação especialíssima da dupla de guitarristas, a noite terá canjas de Miguel Cordeiro (foto abaixo), Messias e Eduardo Scott. Até lá!


Camaça Rock City - Coveiros & Urublues



Coveiros & Karl Franz no John Sebastian Bar

Marcão, Marcos Clement, David Roth e Jerry Marlon

Marcão Botelho no baixo e nos backing vocais

Marcão, Guiga e Clement montando o set list

Urublues: Jerry (baixo), Neive (batera), Gabriel (vocais), Gustavo Müllen fazendo a participação especial na guitarra e Alexandre (guitarra)

6 de novembro de 2009

Sábado tem rock em Camaçari

Os Coveiros do Cover fazem show neste sábado, dia 7, na festa Beat Acelerado. O rock’n’roll vai rolar no John Sebastian Bar, em Camaçari, a partir das 21h.

A Urublues fará a abertura, tocando muito BRock. Em seguida, os Coveiros vão mandar o seguinte repertório:

Brand New Cadillac (The Clash)
Você não pode se calar (14º Andar)
In the city (The Jam)
Should I stay or should I go (The Clash)
Hateful (The Clash)
Police and Thieves (The Clash)
Psycho Killer (Talking heads)
Killing Moon (Echo & The Bunnymen)
Pinball Wizard (The Who)
Substitute (The Who)
I Can't explain (The Who)
KKK (Ramones)
Axé (Espírito de Porco)
O Adventista (Camisa de Vênus) - com Karl Franz
Gotham City (Camisa de Vênus) - com Karl Franz
Deus, me dê grana (Camisa de Vênus) - com Karl Franz
Hoje (Camisa de Vênus) - com Karl Franz
Anarchy in the U.K. (Sex Pistols)

Na semana seguinte, tem a festa Troca de Segredos, no Groove Bar.

O evento da sexta-feira 13 sobre a memória da cena rocker baiana dos anos 80 terá mais canções das antigas bandas locais e participações especiais.

5 de novembro de 2009

Polêmica: é válida a memória do rock baiano dos anos 80???

Bastou o blog Rock Loco publicar a matéria de Chico Castro Jr. sobre a festa Troca de Segredos para os internautas iniciarem um debate que até agora rendeu 46 comentários.

O confronto das opiniões favoráveis e contrárias aos Coveiros é no mínimo curioso. Vale apena conferir a discussão pra lá de polêmica...

>> Clique aqui para ver o post e os comentários.

PS: Na minha opinião, comentários não assinados não devem ser levados em consideração.

30 de outubro de 2009

Ganhe um CD, livro e camiseta da Gonó

Além de ouvir covers da banda Gonorréia na festa Troca de Segredos, no dia 13, quando os Coveiros vão chamar o palco o vocalista da Gonó, Eduardo Scott, você pode sair do Groove Bar com um CD, uma camiseta e um livro escrito pelo jornalista Eduardo Bastos sobre a banda dos anos 80 e a cena rocker da época.

Para isso é só participar do nosso sorteio. Mande um e-mail para coveirosdocover@gmail.com com a palavra sorteio no campo de assunto e responda à seguinte pergunta:

COMO VOCÊ SOUBE DA REALIZAÇÃO DA FESTA TROCA DE SEGREDOS, NA SEXTA-FEIRA 13?

Cinco kits contendo um CD, uma camiseta e o livro "8205 Gonorréia: o resgate da história", oferecidos pela Scott & Dahora – Assessoria e Marketing, serão sorteados entre todos os que mandarem e-mails.

Os premiados receberão um aviso por e-mail e terão os nomes divulgados aqui no blog, no dia 11/11.

Atenção: os kits sorteados serão entregues na festa Troca de Segredos, dia 13 de novembro, a partir das 22h, no Groove Bar. O prêmio não inclui o ingresso para a festa.

Boa sorte!!!

Deus, me dê grana!!!



Essa vai rolar no show dos Coveiros no Jonh Sebastian Bar, em Camaçari, no sábado (dia 7), e na festa Troca de Segredos, na sexta-feira 13, no Groove Bar, com participação de Karl Franz.

Por enquanto, veja o videoclipe feito na época em que Villa-Lobos figurava na nota de 500 cruzados.

O garoto que protagoniza a história deve estar agora com mais de 30 anos... "Deus, me dê grana" saiu no LP "Correndo Risco", lançado pelo Camisa de Vênus em 1986.

28 de outubro de 2009

Rock'n'roll em família

A Elite Marginal era formada pelos irmãos Artur Ribeiro (vocais), Maico Ribeiro (guitarra), Everton Ribeiro (baixo) e Luis Magoda, ex-batera da primeira formação do Ramal 12. Depois, com a saída de Magoda, Mauro Rodrigues assumiu as baquetas da Elite.


Esse show no clube Bahiano de Tênis, que concorreu ao Troféu Caymmi, foi pra lá de família, já que a Imagens Falsas tinha Vladmir Ribeiro no baixo...


Artur continua na ativa, na guitarra e vocais do Theatro de Séraphin, que faz show nesta sexta, dia 30/10, no Groove Bar.

+  Mais do material cedido por Ednilson Sacramento.

25 de outubro de 2009

Coma lixo, veja o vídeo e ouça ao vivo na festa Troca de Segredos



A porrada é "Coma lixo todo dia pra morrer banguelo". As imagens são de um show depois da volta da Gonorréia, na Boomerangue, e do documentário "Estamira", dirigido por Marcos Prado. O som é da versão de estúdio que saiu no CD da banda.

Eduardo Scott (vocais) e Miguel Bahiense (baixo) são da primeira formação da Gonó. Gustavo Müllen (ex-Camisa) toca uma das guitarras.

Na festa Troca de Segredos, sexta-feira 13, os Coveiros vão tocar "Coma lixo...", com direito a participação de Scott.

24 de outubro de 2009

Encontro do rock: 4 bandas na Concha



Esse foi um encontro de bandas punks e pós-punks da cidade: Utopia, Cravo Negro, Elite Marginal e Inimigos do Rei.

Na década de 80, a galera do rock conseguia mais espaço na Concha Acústica (vide a homenagem logo após a morte de Raul).

Nesses eventos, a reunião de bandas juntava as tribos e garantia bom público. Quem souber qual foi o ano desse encontro, pode deixar um comentário...

>> Mais uma imagem do arquivo de Ednilson Sacramento.

20 de outubro de 2009

Sessão baba ovo

Ontem no ensaio, tivemos a ilustre presença de um dos músicos convidados para os nossos próximos shows, Karl Franz (Camisa de Vênus). Definimos e ensaiamos as quatro músicas que tocaremos juntos, jogamos conversa fora e pioramos a dor de cabeça de Guiga.

Passadas as músicas do Camisa, Karl começou a arrumar as coisas dele pra ir embora mas, como Maquinhos Arapuka não pôde ir ao ensaio, perguntei se ele não poderia ficar e fazer a outra guitarra. Ele topou e continuamos o ensaio.

"Cadê a babação de ovo?" Vocês me perguntam. Ela vem agora, respondo.

Voltei totalmente à adolescência quando ensaiamos "Axé", do Espírito de Porco. Pensei assim: Eu tô cantando uma música do Espírito junto com Karl Franz do Camisa! Na época do boom do rock em Salvador, todos nós, de uma forma ou de outra, nos inspirávamos no Camisa de Vênus. Não necessariamente em termos musicais, mas sem dúvida na possibilidade mostrada por eles de que, parafraseando Obama quase trinta anos antes de sua célebre frase: "Sim, nós podemos!" E agora, lá estava Karl, tocando "Axé"!

Pronto! Chega de babação! Voltei à minha própria e avançada idade e não mais me abalo com esse tipo de coisa. Na segunda-feira que vem, Karl estará novamente no ensaio. Será que rola "Axé" de novo?....

18 de outubro de 2009

Coveiros & Urublues em Camaçari

No dia 7 de novembro, os Coveiros do Cover fazem seu primeiro show em Camaçari, no Jonh Sebastian Bar. Será a estréia da banda na "Detroit baiana", numa dobradinha com a Urublues.

A noite terá ainda as participações especiais dos guitarristas Karl Franz e Gustavo Müllen (Camisa de Vênus).

Os Coveiros vão exumar clássicos do punk (Ramones, Sex Pistols, The Clash) e mais canções que fizeram a trilha dos anos 1980 (Talking Heads, The Jam, Bowie...). Não vai faltar no repertório uma boa dose de rock baiano: Camisa, 14o Andar, Ramal 12, Espírito de PorcoGonorréia.

A Urublues já é conhecida em "Camaça" por fazer de suas apresentações tributos aos anos 1980, com muito BRock. É formada por Gabriel Oliveira (vocais), Carlos Ruiz (voz e guitarra), Alexandre Vieira (guitarra), Jerry Marlon (baixo) e Neive (bateria).

12 de outubro de 2009

Release: festa desenterra o rock baiano dos anos 1980, na sexta-feira 13

A cena rocker baiana dos anos 1980 é o tema da festa Troca de Segredos, que acontece na sexta-feira, 13 de novembro, no Groove Bar. Será a segunda edição de um projeto voltado para a memória do período.

Tudo começou com a criação da banda Coveiros do Cover, formada por músicos que atuaram naquela década e que tocam canções de suas antigas bandas e de outros grupos locais, cujos integrantes são sempre convidados para participações especiais.

Além da cena baiana, eles “exumam” também o repertório norte-americano e britânico que fazia a trilha sonora da época.

Nesta edição, os Coveiros dividem o palco com a Urublues, afinada com a proposta por ter um repertório centrado em covers das bandas do chamado BRock (Ira!, Titãs, Ultraje a Rigor etc.) e que vem fazendo de seus shows momentos de tributo aos anos 80.

A festa começa às 22h com som mecânico, também pautado no período, e exibição de fotos da época e de capas dos velhos LPs e compactos em vinil gravados pelos grupos homenageados. À meia-noite iniciam-se as apresentações das bandas.

O projeto Troca de Segredos, cujo nome é inspirado num circo instalado em Ondina onde ocorriam shows e festivais de rock nos anos 1980, começou em julho deste ano com a formação da Coveiros e a realização da primeira festa.

A proposta ganhou projeção com a abertura deste blog, no qual a história das bandas baianas dos anos 1980 é contada através de textos, fotos e arquivos de áudio da época.

+ + + PARTICIPAÇÕES

Para a festa no Groove, os coveiros David Roth (vocais), Marcos Clement (guitarra), Jerry Marlon (guitarra), Marcão Botelho (baixo) e Guiga Bluesrock (bateria) convidaram Eduardo Scott, ex-vocalista da banda Gonorréia.

Ele vai cantar duas composições da antiga banda, surgida em 1982, que tinha um público amplo, mas acabou quando, nos estertores da ditadura militar, teve seu nome proibido de figurar em cartazes e de ser publicado na mídia.

Também sobem ao palco Miguel Cordeiro, artista plástico que forjou a identidade visual da cena dos anos 1980, produzindo cartazes, fanzines e material gráfico para os discos e que hoje integra a banda Koyotes; além do guitarrista Karl Franz, da banda local de maior projeção na década, o Camisa de Vênus.

Outro integrante do Camisa, o guitarrista Gustavo Müllen, será o convidado especial da banda Urublues, formada por Gabriel Oliveira (vocais), Carlos Ruiz (voz e guitarra), Alexandre Vieira (guitarra), Jerry Marlon (baixo) e Neive (bateria).

A data do evento não podia ser mais adequada. Sexta-feira 13 deu título a um filme de terror que estreou exatamente em 1980, tendo continuações ao longo da década.

Para essa segunda edição da Troca de Segredos, além de apresentarem canções das bandas locais citadas, os Coveiros do Cover desenterrarão “Axé”, composição da antiga banda do vocalista David Roth, a Espírito de Porco, e covers do The Who, Ramones, The Jam, Sex Pistols, The Clash, David Bowie, Echo & the Bunnymen e Talking Heads.

+ + + SERVIÇO

Festa Troca de Segredos
Sexta-feira 13 de novembro
Horário: 22h (som mecânico), 0h (shows)
No Groove Bar (R. Marques de Leão, Barra)
Ingressos: R$ 20 e R$ 15 (lista do Groove)
Shows: Coveiros do Cover e Urublues
Mais informações: 71 3267-5124 / 71 9957-4653

6 de outubro de 2009

Um personagem dos anos 80... e punk rock na cabeça


Adriana Ghazza Telles nos mandou a imagem acima.

Assim como o repertório dos Coveiros, a máscara de Jason é, sem dúvida, a "cara" dos anos 1980.

Valeu, Ghazza!

Quando Jason aparecer, eles estarão no palco...



...Esta é a data do próximo ataque dos Coveiros do Cover, em novembro, no Groove Bar.

Enquanto Jason Voorhees estiver mandando mais cadáveres ao cemitério, os coveiros exumarão mais do rock baiano dos anos 1980, na segunda edição da Festa Troca de Segredos.

Novos covers do The Who, The Clash e outras surpresas foram agregadas ao repertório, que inclui de Ramones, The Jam & Sex Pistols ao Talking Heads.

Imagens da cena rocker de Salvador nos anos 1980 vão compor o clima de tributo no telão. No palco, músicos que atuaram na época participarão de canjas e homenagens.

Aguarde mais detalhes sobre a festa, que terá também som mecânico e mais uma banda de tributo aos anos 80. Quem viver, irá...

+ + + SERVIÇO

Festa Troca de Segredos
Sexta-feira 13 de novembro
Horário: 22h (som mecânico), 0h (shows)
No Groove Bar (R. Marques de Leão, Barra)
Ingressos: R$ 20 e R$ 15 (lista do Groove)
Mais informações: 71 3267-5124 / 71 9957-4653
http://www.groovebar.com.br/

2 de outubro de 2009

Antônio Roque Costa (1940 - 2009)

Os Coveiros do Cover prestam aqui sua homenagem ao amigo e pai de dois grandes amigos Tony Costa.

Tony foi o idealizador e realizador do Festival de Arembepe de 1984. Esportista, marketeiro e bon vivant, suas histórias e conselhos o levavam a ser considerado o guru da linha de frente do Espírito de Porco e dos amigos mais próximos destes.

Após uma luta contra o câncer, Tony faleceu ontem, aos 69 anos, no final da tarde, em São Paulo.

1 de outubro de 2009

Cartazes da primeira edição da festa Troca de Segredos

Cartaz criado por
David Coverdelle Roth
Cartaz criado por Angela Pereira

29 de setembro de 2009

O maior coverdelle mesmo de todos os tempos.

Tenho pensado sobre os vários coverdelles mesmos que existem no mundo, tentando determinar qual teria sido o maior de todos os tempos. Finalmente cheguei a uma conclusão.
Na minha opinião, o maior coverdelle mesmo de todos os tempos é Paul McCartney!
Para não me prolongar demais em explicações e justificativas, seguem aí alguns links para que vocês tirem as suas próprias conclusões.

Coveiros desenterram canção de Bowie



No ensaio da segunda (dia 28), os Coveiros do Cover fizeram mais um acréscimo ao repertório. É uma canção do álbum Let's Dance, de David Bowie.

Quer saber qual é a faixa??? ... Aguarde o próximo show da banda, em novembro.

25 de setembro de 2009

Relíquias 6: Utopia no Água de Mar

Com o fim do Imagens Falsas, Marcus (das Garrafas) Vinícius assumiu a batera do Utopia. Um dos primeiros shows dele com a banda foi no Água de Mar, um barzinho estreito cujas mesas ocupavam a calçada na Barra. O palco era ínfimo, mas a galera conseguiu espaço nos jornais locais.



+++ Mais uma imagem do arquivo de Ednilson Sacramento.

21 de setembro de 2009

Relíquias 5: "a prova do crime" e os shows


No tempo do cruzado, os ataques aos muros da cidade não eram só a base de spray...

Marcelo (guitarra e voz), Marcus das Garrafas (bateria) e Vladimir Ribeiro (baixo).



+++ Do arquivo de Ednilson Sacramento.

16 de setembro de 2009

Cuidado... Há um coveiro na porta principal!!!

Com a perspectiva de um novo show, os coveiros retomaram os ensaios esta semana. O melhor ensaio de todos os tempos! Todos no gás, com fome de tocar!

Repassamos algumas músicas do repertório, mas nos concentramos mesmo em preparar algumas músicas novas.

Killing Moon do Echo & the Bunnymen, Pinball Wizard do The Who e Gotham City do Camisa de Vênus são algumas das novidades que desenterraremos em novembro.

11 de setembro de 2009

Flores do Mal no programa de Tia Arilma

Essa é uma escavação das tumbas da TV local. O ano é 1985. Atentem para o texto da apresentadora. Tia Arilma diz que o iê-iê-iê da Flores do Mal é "rock metaleira"!!! E a homenagem ao livro de Charles Baudelaire é considerada "um nome diferente"...



O Flores do Mal era: Duda Luedy (vocais e baixo), Paquito e Heyder (guitarras) e Tony (bateria). A canção do playback é "Amigo Punk".

9 de setembro de 2009

Relíquias 4: Imagens Falsas e Casa de Orates

O Imagens Falsas era um power trio surgido no final dos anos 80 com Marcelo na guitarra e vocais, Vladmir Ribeiro (ex-Treblinka) no baixo e Marcus das Garrafas (ex-Utopia) na bateria.


A logo com o nome da banda na bandeira do Brasil foi uma boa sacada. Mas atentem para os patrocínios: uma loja de cortinas de madeira, outra de autopeças e o salão de beleza Koxixo Xik. Que nome, que logo bizarra!

Quem tiver informações sobre a banda Dissidentes, favor deixar um comentário.


Este show aconteceu no andar superior do Mercado Modelo. Creiam! O cartaz é de agosto de 1990, mas vale o registro.

Trata-se da estréia de uma banda formada pelo guitarrista do Ramal 12 Claudio Lacerda (tocando bateria), o ex-Gonorréia Eduardo Scott (vocais), além dos ex-Camisa de Vênus Roberio Santana (baixo) e Gustavo Mullen (guitarra). Acho que foi o primeiro e único show da banda. Confere demais blogueiros? ...e o Mercado Dance também não pegou como casa para rock.

+++ Os dois cartazes vêm dos arquivos de Ednilson Sacramento.

3 de setembro de 2009

Relíquias 3: Tributo a Raul em 1989

Sob o impacto da morte de Raul Seixas, ocorrida no dia 21 de agosto de 1989, foi realizada 12 dias depois uma homenagem (cartaz abaixo), que reuniu bandas dos anos 80 e até o veterano e parceiro de Raulzito Big Ben, na Concha Acústica do TCA.


O Paris Latino, um dos patrocinadores do evento, era um inferninho que funcionava na mesma casa onde está atualmente o Boomerangue e foi cenário de várias noitadas de rock, com som ao vivo ou mecânico.

Waldir Serrão (nome artístico Big Ben) comandava o programa "O Som do Big Ben" na TV Itapoan e levou boa parte da moçada rocker para se apresentar na emissora.

Embora já tivesse muita estrada, Serrão abria espaço para a geração dos anos 80 na TV. Seu show de calouros, com direito a números não competitivos de músicos convidados, era exibido semanalmente aos sábados nas telinhas pelo canal 5.(Tati Lima)

+++ Imagem cedida por Ednilson Sacramento

1 de setembro de 2009

Relíquias 2: Bandas na ativa em 1987

Os festivais, fossem específicos de rock ou abertos a vários gêneros, como os realizados por escolas secundárias e o do cartaz publicado abaixo, eram uma maneira de as bandas ganharem visibilidade.

Muitos grupos encaravam a platéia de gostos variados nesses eventos, para divulgarem sua música sem precisar arcar com custos de som, luz e outros itens de produção. Além do mais, levar um premiozinho de quebra não era nada mal...(Tati Lima)


+++ Imagem cedida por Ednilson Sacramento

31 de agosto de 2009

Em breve: raridades de Ednilson Sacramento

Olá leitores desse blog. O coveiro Marcão Botelho e a blogueira que vos escreve estão fora de Salvador. Por isso o blog está meio parado.

Mas a proposta de desenterrar o rock baiano dos anos 80 não morreu.

David Coverdelle Roth está com um material dos anos 80 (fotos e cartazes de shows) cedido por Ednilson Sacramento. Em breve estarão aqui nesse cemitério virtual mais imagens e histórias da década perdida.

24 de agosto de 2009

“Pichar muros era o meio de divulgação mais eficaz”

O Coveiro do Cover David Coverdelle Roth revela, no ping-pong abaixo, um pouco mais da história da banda punk Espírito de Porco.


+ A escolha do nome Espírito de Porco foi anterior à canção Cabeça Dinossauro dos Titãs? Por que vocês escolheram esse nome?

O Espírito de Porco foi formado em 1982 e o Cabeça Dinossauro é de 1986. Escolhemos esse nome porque era melhor que as outras duas opções que tínhamos: A Geléia e Febre de Zunhada de Gato.

+ Onde aconteciam os ensaios?

Ensaiávamos na Rua 8 de Dezembro, na casa de José e Estácio de Sá, respectivamente guitarrista e baterista da banda. Eles eram os mais abonados do grupo.

+ E em que locais vocês fizeram shows?

Nossa primeira apresentação foi no Circo Troca de Segredos que ficava em Ondina. Foi durante o Festival de Rock da Bandeirantes. Depois disso tocamos no MUISBA (Festival de Música do ISBA), no Circo Relâmpago na segunda fase do festival da Band, no Art Kasarão com a banda Velórium, abrimos para o Camisa de Vênus no Relâmpago e no Farol da Barra e tocamos no Festival de Arembepe. Acho que tocamos em outros lugares, mas não estou lembrando onde. Se tiver algum Ex-pírito de Porco acompanhando o blog, por favor me ajude.

+ Como era feita a divulgação da banda? Vocês pichavam os muros da cidade?

Pichar muros era o meio de divulgação mais eficaz na época. Todos os muros lisinhos que encontrávamos pela frente eram alvos. Fizemos duas pichações memoráveis. Uma foi no muro da igreja do ISBA que tinha acabado de ser construída. A outra foi no monumento a Clériston Andrade na Av. Garibaldi.

+ A banda e/ou o público teve problemas com a violência dos punks nos shows?

Nós achávamos a violência pouca.... Agora, a pouca que tinha era violenta pra caralho!!! Na nossa estréia no Troca de Segredos, um cara deu uma correntada no palco e a corrente se enroscou no pedestal do microfone de Papa (vocalista). Ele, na maior boa vontade, foi desenroscar a corrente e o cara, achando que ele ia ficar com ela, puxou de vez e lascou a mão de Papa. Apesar de ter sangrado bastante, vimos que não tinha sido nada demais. Papa mostrou a mão ensangüentada para o público, que adorou aquilo tudo. Acho que aquilo acabou colocando a gente e o público em sintonia e a estréia foi muito boa!

+ Por que a banda acabou?

A banda foi se dissolvendo aos poucos. Primeiro saiu Clodoaldo, depois eu saí porque ficou esquisito com um só backing vocal. Um dos guitarristas também saiu, não lembro se foi Zé de Sá ou Xixarro, acho que foi Zé de Sá. No lugar dele entrou Butano, mas não deu certo. Então foi recrutado Paulinho que tinha sido guitarrista do Gonorréia, que havia acabado. Depois do show no Festival de Arembepe, Papa também resolveu cair fora. Os outros integrantes ainda tentaram continuar tocando, mas acho que não funcionou direito e a banda acabou de vez logo em seguida.

+++ A foto de David Roth (acima) foi feita por Cláudio Guedes, no início dos anos 90.

21 de agosto de 2009

Via Sacra tinha um público amplo: de punks a protogóticos

Ping-pong com o ex-baixista do Via Sacra Marcos Rodrigues (atual Theatro de Seraphin).
Ao tempo em que fala sobre sua antiga banda, ele descreve a cena rocker de Salvador nos anos 80.

Foto: Lia Seixas
+ Como surgiu a banda?


A idéia de uma banda surgiu entre vizinhos de um condomínio no bairro de Brotas, por volta de 1984. Na época a idéia era ter uma banda como o Camisa de Vênus. Tínhamos por volta dos 16 anos e, com mais informação, mudamos o rumo do som para um misto de hardcore californiano com as harmonias dissonantes de bandas do postpunk inglês como Fall e Bauhaus.

+ Como vocês chegaram a esse nome?

Como todas as bandas, tínhamos uma lista de nomes. Mas a possibilidade de cutucar a Igreja Católica e de nos aproximarmos da estética gótica acho que foram decisivas.

+ Onde ensaiavam?

Num porão, abaixo das garagens do edifício em que morávamos. Underground é isso :)

+ Como era a oferta de espaços para shows nos anos 80?

Apesar da precariedade técnica, estava melhor que hoje. Tinha o Graffite, Paris Latino, Manga Rosa, Água de Mar, Revolution Bar; os circuitos de teatros como o Solar Boa Vista, Teatro das Oliveiras (Severino Vieira) e até o Vila Velha; os festivais de colégios e, no nosso caso, todos os inferninhos punks pelo Subúrbio Ferroviário, além de algumas cidades do interior, como Alagoinhas, Cruz das Almas e Itabuna.

+ A violência de alguns punks nos shows da Dever de Classe foi uma das causas do fim daquela banda. Vocês também enfrentavam esse tipo de situação?

Em menor escala. A Dever de Classe era a principal banda punk da cidade por volta de 86, 87, da galera mais militante. A Via Sacra tinha um público mais amplo que incluía punks, postpunks, protogóticos e outros menos rotulados.
Mas tivemos alguns problemas quando alguns carecas começaram a frequentar nossos shows. Os mais graves foram quando os carecas cortaram as costas do artista plástico Rico Oliveira com chicotadas de cabo de aço, num final de show nos barracões da Escola de Belas Artes. E num show num boteco do Rio Vermelho (esqueci o nome), quando tivemos que parar porque os caras entraram com uma faca. Mas eles curtiam o som da Via Sacra e fomos poupados :)
Muitos eram ex-punks que acompanhavam a banda há algum tempo. Infelizmente alguns confundiam tudo e partiam pra irracionalidade.

+ Qual foi o motivo da dissolução da banda, em 1991?

Contas a pagar :)
Ter que arranjar trampo sério.
A faculdade de todo mundo tava no fim e seriamos ex-estudantes e futuros desempregados :)
Também a cena começava a mudar. A gente não tava a fim de ficar tocando para a crescente horda de skatistas alienados que ouviam Dead Kennedys e achavam que isso era tudo. Muito babaca enchendo os shows. Foi a virada pros 90, início da MTV no Brasil e a entrada daqueles sons puladinhos de Red Hot Chilli Peppers e Cia ltda. Hora de dar um tempo.

17 de agosto de 2009

Mais fotos saídas dos túmulos dos anos 80

Sob o sol escaldante de Salvador, uma imagem da banda Soul 26, que reunia o 14o. Andar e Ramal 12: Cláudio Lacerda, Jerry Marlon, Macedo Marques, Johny Maia Flores, Marcão Botelho, Helio Rocha e Killer Band.

Foto: Hamilton Penna


O Ramal 12, na formação de 1989: Marcelo Kowalski e Claudio Lacerda (de pé); Marcão Botelho e Macedo Marques.

14 de agosto de 2009

A Arapuka está armada para o dia 21: a memória de Raul nunca morrerá!

Há 20 anos, o rock perdia um dos seus mais criativos e irreverentes representantes: Raul Seixas.

Foi no dia 21 de agosto de 1989 que Raulzito pegou o metrô linha 743, com destino à imortalidade.

Mas não pensem que os comedores de cérebro a vinagrete conseguiram apagar o legado do mentor da sociedade alternativa.

Os coveiros Marcos Clement (...ou o clone dele) e Jerry Marlon, que também integram a banda Arapuka, de covers de Raul, sobem ao palco do Largo Quincas Berro D'Água, no Pelourinho, na próxima sexta (21 de agosto), às 20 horas, para fazer o show Raul Seixas - 20 anos na Memória.

A entrada é gratuita e, no palco, além dos integrantes da Arapuka, convidados da cena rocker vão tocar as inesquecíveis composições de Raulzito.

Enquanto a noite do show não chega, publicamos aqui duas fotos inéditas de Raul, entregues pelo próprio fotografado ao coveiro Marcão Botelho, no final dos anos 80.

Viva Raul Seixas!

PS-1: Como informou o coveiro Marcos Clement (leia o comentário abaixo), a homenagem a Raul na sexta-feira (dia 21) começará com a saída de um trio elétrico comandado pela banda Arapuka, às 16 horas, no Campo Grande, em direção à Praça Municipal. Em seguida, a galera sobe para o show no Largo Quincas Berro D'Água, às 20 horas.

PS-2: Depois do show no Pelourinho, todos seguem para o Boomerangue, no Rio Vermelho, onde acontece o tributo ao álbum Panela do Diabo.

12 de agosto de 2009

Novas escavações da Sexto Sentido


Outras fotos da banda pós-punk Sexto Sentido foram desenterradas e vieram parar aqui no nosso blog.

Esta é de um show de 1985. Nos vocais Johny Póvoas, no baixo Carla Karr e na guitarra Marcelo.

O baterista Humberto César (Tedão), em show de 1989.

11 de agosto de 2009

Mais três canções do Ramal 12

O MySpace do Ramal 12 foi atualizado com mais três canções registradas ao vivo: Bem, Ensaio Cotidiano e Gabinete do Dr. Caligari. As versões são do mesmo show de 1989 no Zouk Santana.

Ensaio Cotidiano foi composta durante o período em que a banda se mudou para São Paulo, de 1987 a início de 1989. Gabinete do Dr. Caligari chegou a ser gravada em estúdio, para a coletânea Rock 96, um bolachão de vinil.

A foto acima é anterior à ida da banda à paulicéia. À frente estão Luis Magoda (batera) e Marcão Botelho (baixo), acima Claudio Lacerda (guitarra) e Marcelo Kowalski (vocais). Esta foi a primeira formação da banda, iniciada em 1984.

>>> Ouça as canções: http://www.myspace.com/ramal12arquivos

+++

10 de agosto de 2009

Musicalmente transmissível, altamente contagiosa

Assim foi a Gonorréia, banda que fazia um crossover de punk e metal. Sem dúvida, a Gonó contaminou o segundo maior número de fãs rockers no início da década de 1980, ficando atrás apenas do Camisa de Vênus em popularidade.

Acima uma foto do show de 1983, no circo Relâmpago, instalado num terreno pertencente à Apae, na Pituba. Quem viveu não esqueceu das enérgicas performances de palco da Gonó.

Eduardo Scott, vocalista da Gonó, fundou o primeiro fã-clube do AC/DC de Salvador, antes de criar a banda. Essa foto é de um show da Gonó no Teatro Villa Velha, em 1982.

Scott e o baixista Miguel Bahiense, no show do Villa Velha, em 82. A banda costumava levar dois sacos de lixo fake (apenas papéis e outros objetos que não provocavam ferimentos nem odor) para jogar na platéia durante a execução do hit "Coma lixo pra morrer banguelo".

Nessa noite, o público preparou uma surpresa. Levou um saco de lixo real e colocou no palco. Quando o saco rasgou no meio da galera foi a maior podrera. A direção do TVV ficou irada.

Em primeiro plano, o guitarrista Paulo Gusmão, no show do circo Relâmpago, em 1983. A lona da Pituba abrigou um festival promovido pela Bandeirantes FM, no dia 7 de outubro. Concorriam 32 bandas.

A Gonó foi aclamada campeã pela platéia, mas a produção do evento já tinha as cartas marcadas e queria dar o prêmio (a gravação de um compacto em vinil) à banda Skarro, que fazia um som mais comercialmente palatável e tinha entre os integrantes músicos que também tocavam axé. O público protestou e quase o circo foi abaixo.

Em meio à agitação geral, a Gonó foi eleita vencedora no grito. A produção acatou o desejo do público, para acalmar os ânimos, mas o single nunca saiu...


+++

+ Cemitério dos posts